Estudos Científicos

Estudos Científicos Provam o Poder da Oração na Cura de Pacientes.

A oração pode curar as pessoas diz estudo cientifico prublicado em vários periódicos internacionais.por Joshua Clark – traduzido por HowStuffWorks Brasil
fonte :http://saude.hsw.uol.com.br/cura-pela-prece1.htm
Há algum tempo, a ciência investiga conexões entre a mente e o corpo. Alguns cientistas descobriram que a fé de uma pessoa pode ajudá-la a viver uma vida mais longa e saudável [fonte: Yang (em inglês)]. A oração pode baixar a pressão arterial e diminuir o ritmo cardíaco, dois fatores que contribuem para um sistema imunológico mais resistente [fonte: Bernardi, et al (em inglês)].
Estudos mostram que a oração pode ter um efeito positivo na saúde de uma pessoa. Mas as orações feitas por outras pessoas podem surtir algum efeito?
Alguns estudos mostraram que pessoas religiosamente ativas tendem a ser mais saudáveis.
Isso pode ser devido ao poder da oração, mas também pode ser explicado pela disposição de se levar uma vida regrada, já que muitas religiões pedem que seus devotos evitem atos que ponham a saúde ­em risco, como por exemplo o consumo de álcool e de cigarro (em inglês), além do sexo casual. Além disso, pessoas religiosamente ativas são beneficiadas pelos laços sociais dentro de seus grupos religiosos. Um estudo da Universidade da Califórnia – Berkeley confirmou que pessoas religiosas apresentam um risco menor de doenças e de morte [fonte: Yang (em inglês)]. Dentro e fora da comunidade científica muitos acreditam que a oração pode ser benéfica à saúde das pessoas.
As intercessões ou orações à distância são um caso à parte. A oração intercessora é o ato de orar pedindo que uma força maior interceda em favor de uma outra pessoa, geralmente para que ela se recupere de um problema de saúde. A oração à distância é uma forma de oração em que alguém reza por uma pessoa que não conhece, geralmente como um pedido de uma igreja ou de alguma outra instituição religiosa. A crença de que esse tipo de oração tenha qualquer efeito na saúde de alguém é alvo de desdém de grande parte da comunidade científica.
Estudos científicos sobre a oração intercessora obtiveram diferentes resultados. De um lado estão os que acreditam que aquilo que não pode ser provado por meios científicos, não existe. Do outro lado, estão os que acreditam no poder da oração, não importando se comprovado ou não pela ciência.
 
Mas porque esse é um assunto tão controverso?
 De acordo com um estudo da Universidade de Rochester (em inglês) cerca de 85% das pessoas que sofrem de alguma doença adotam a oração como tratamento complementar. A oração é considerada o tratamento complementar mais utilizado pelos americanos (em inglês), mais ainda que as vitaminas (em inglês), ervas ou exercícios terapêuticos como a yoga. Se isso faz com que uma pessoa se sinta melhor, mesmo que não seja comprovado cientificamente, que mal pode causar?

A idéia de que nós, humanos, temos a capacidade de curar outras pessoas simplesmente utilizando nossas mentes (ou pedindo a uma força maior que interceda) vai contra o que a ciência acredita. Mas, na busca pela verdade, os pesquisadores investigam a prece cientificamente. Com tantas pessoas buscando apoio na oração, os cientistas têm a responsabilidade de determinar se isto é benéfico ou maléfico para elas.

Estudos sobre a oração de cura

Em 1988, o físico Randolph Byrd chocou o mundo com os resultados de um estudo, que ele conduziu cinco anos antes, sobre os efeitos da oração em pacientes cardíacos. Byrd estudou 393 pacientes internados em uma unidade de tratamento cardíaco em um hospital de São Francisco. Os pacientes eram “estatisticamente semelhantes”, o que significa que suas condições eram todas similares. Esses pacientes foram divididos em dois grupos: os que receberam oração intercessora e os que não receberam. Nem o médico nem o paciente sabiam quem estava em qual grupo.

Ian Waldie/Getty ImagesEstudos investigaram se a oração intercessora pode ou não auxiliar pessoas doentes em recuperação, como este garoto em uma unidade de terapia intensiva em Sydney, Austrália
Byrd forneceu o primeiro nome, o diagnóstico e o estado de um paciente para diferentes grupos de três ou quatro cristãos praticantes de diferentes congregações. Esses grupos rezaram por seu paciente diariamente
durante a sua internação, longe do hospital, sem conhecê-lo pessoalmente.
Quando o estudo foi concluído, Byrd descobriu que, de fato, havia uma diferença significativa na qualidade da recuperação dos pacientes que receberam as preces. No geral, eles se sentiram melhor do que os que não receberam as orações. Quase 85% do grupo que recebeu as orações intercessoras alcançaram “bom” no sistema de classificação utilizado pelos hospitais para medir a resposta do paciente ao tratamento. Eles estavam menos propensos a sofrerem um ataque cardíaco, precisarem de antibióticos ou necessitarem de intervenções como ventilação ou intubação. Por outro lado, 73,1% dos participantes do grupo de controle alcançaram a classificação “bom” [fonte: Byrd (em inglês)].O estudo de Byrd originou uma série de estudos semelhantes. Mesmo tendo sido alvo de muitas críticas, Byrd desenvolveu um modelo para outros estudos sobre a oração. Um deles, conduzido por um grupo liderado por William Harris em Kansas City (em inglês) no Estado de Missouri (em inglês) em 1999, confirmou o estudo de Byrd. O grupo de Harris chegou a resultados relativamente similares: 67,4% do grupo que recebeu a oração intercessora alcançou a classificação “bom”, comparado com os 64,5% do grupo de controle [fonte: Harris, et al (em inglês)].Mas outros estudos não tiveram os mesmos resultados. O Estudo dos Efeitos da Oração Intercessora (STEP – Study of the Effects of Intercessory Prayer), publicado em 2006 no American Heart Journal, acompanhou pacientes em seis centros médicos nos Estados Unidos (em inglês). Esse estudo dividia pacientes que haviam sofrido cirurgia de ponte de safena (em inglês) em três grupos:

•os que receberam orações de um grupo de fora, mas que não estavam cientes disso;

•os que não receberam orações;

•os que estavam cientes de que estavam recebendo orações.

Não apenas o estudo STEP obteve resultados diferentes dos obtidos por Byrd e Harris, mas também revelou um aspecto totalmente inesperado. Os pacientes que receberam as orações tiveram mais complicações do que os que não receberam (52% contra 51%). Mas, surpreendentemente, os que sabiam que estavam recebendo orações foram os que mais sofreram: 59% desse grupo teve complicações após a cirurgia [fonte: Harvard (em inglês).

 
Em um estudo conduzido pela Universidade Duke em 2005, pesquisadores investigaram os efeitos da oração, assim como os da terapia de toque, da música e das imagens (MIT). Esse estudo foi aplicado aos pacientes em seus leitos. Os resultados mostram pouca diferença na recuperação dos que receberam apenas a oração, dos que receberam a terapia, dos que receberam ambos e dos que não receberam nem orações nem terapia. Mas mostrou, entretanto, que houve uma ligeira diferença entre a taxa de mortalidade registrada nos grupos após seis meses de tratamento. O grupo que recebeu a oração intercessora junto com a terapia teve a menor taxa de morte nos seis meses após a cirurgia, apesar disto não ter sido considerado como uma diferença significativa pelos pesquisadores que conduziam o estudo [fonte: Duke (em inglês).Fontes (em inglês)•Astin, John A. Ph.D., et al. “A eficácia da ‘oração à distância’: Um retrospecto sistemático de tentativas aleatórias”. Anais de Medicina Interna 6 de Junho de 2000
•Bernardi, Luciano, et al. “O efeito da oração do rosário e dos mantras do yoga nos ritmos cardiovasculares autônomos: estudo comparativo”. Revista Médica Britânica. 22 de Dezembro de 2001
•Byrd, Randolph C. MD. “Efeitos terapêuticos positivos da oração intercessora na população da unidade de cuidados coronários” Southern Medical Journal. Julho de 1988
•Dusek, Jeffrey A. Ph.D. “Estudo dos efeitos terapêuticos da oração intercessora (STEP) Desenvolvimento do estudo e métodos de pesquisa”
•Gaudia, Gil. “Sobre a oração intercessora O estudo científico sobre os milagres”. Medscape. 20 de Março de 2007
•Lamb, Gregory. “Estudo mostra dificuldade de isolar os efeitos da oração em pacientes”. Christian Science Monitor. 3 de Abril de 2006
•Moran, Mark “Pacientes cardíacos pouco se beneficiam pela oração e pela terapia MIT”. Associação Americana de Psiquiatria. 2 de Setembro de 2005
•Yang, Sarah. ” Mantendo a fé: Pesquisador da Universidade Berkeley relaciona freqüência semanal à igreja com uma vida mais longa e saudável”. Universidade da Califórnia, Berkeley. 26 de Março de 2002
•”O maior estudo sobre oração de terceiros sugere que a oração não é eficaz em reduzir complicações de cirurgias cardíacas. Escola de Medicina de Harvard. 31 de Março de 2006
•”Vários pacientes com câncer recorrem a terapias complementares para cura” Universidade de Rochester. 7 de Junho de 2004
•”Resultados dos primeiros testes sobre orações intercessoras e toques curativos em pacientes cardíacos”. Universidade Duke. 14 de Julho

 

_________________________________________________________________________

Meditação produz mudanças genéticas que melhoram a saúde

Com informações da New Scientist

Meditação gera mudanças genéticas que melhoram a saúde

Há muito tempo os cientistas se perguntam por que a meditação tem tantos efeitos positivos?

Depois de vencerem muitos preconceitos de seus colegas, cientistas já demonstraram que, entre os benefícios da meditação, estão a redução do risco de ataques cardíacos, derrames e da morte por todas as causas.

Uma equipe norte-americana afirmou recentemente que, se a ioga fosse remédio, ela seria o melhor remédio do mundo – a ioga é uma dentre várias técnicas de meditação.

A novidade agora é que se descobriu que a meditação altera a expressão de genes envolvidos com vários processos benéficos à saúde.

E os resultados podem aparecer em minutos, dispensando anos de isolamentos em mosteiros nas montanhas do Tibete.

Estudos anteriores já documentaram mudanças no cérebro quando as pessoas praticam meditação, mas esta é a primeira vez que se demonstra mudanças na expressão dos genes.

Segundos os pesquisadores, esse pode ser o mecanismo principal que poderia explicar os efeitos benéficos relatados da meditação, da ioga e da oração.

Efeitos genéticos da meditação

Herbert Benson e seus colegas do Hospital Geral de Massachusetts (EUA) analisaram os perfis genéticos de 26 voluntários – nenhum dos quais meditava regularmente – antes de ensinar-lhes uma rotina de relaxamento com duração de 10 a 20 minutos.

As práticas incluíam recitar palavras, fazer exercícios de respiração e tentativas de interromper o fluxo automático de pensamentos.

Depois de oito semanas de meditação diária, o perfil genético dos voluntários foi analisado novamente.

Os genes reforçados têm três principais efeitos benéficos: melhorar a eficiência das mitocôndrias, a usina de força das células, aumentar a produção de insulina, o que melhora o controle de açúcar no sangue, e evitar o esgotamento dos telômeros, as tampas dos cromossomos que ajudam a manter estável o DNA e evitam que as células se desgastem – em duas palavras, retardam o envelhecimento.

Os genes que se tornaram menos ativos foram aqueles governados por um gene mestre chamado NF-kappaB, que desencadeia uma inflamação crônica que leva a doenças como a hipertensão arterial, doenças cardíacas, doença inflamatória intestinal e alguns cânceres.

Resultados em minutos

Os cientistas queriam testar a meditação ao extremo, e então decidiram analisar os genes antes e depois de uma única sessão de meditação.

Os resultados foram conclusivos: as alterações genéticas benéficas induzidas pela meditação ocorreram em poucos minutos.

“Parece fazer sentido que você veja essas respostas depois de apenas 15 a 20 minutos, assim como, inversamente, curtos períodos de estresse elevam os hormônios do estresse e geram outros efeitos fisiológicos que são prejudiciais a longo prazo,” comentou Julie Brefczynski-Lewis, da Universidade Oeste da Virgínia em Morgantown, que estuda os efeitos fisiológicos das técnicas de meditação.

E você, já meditou hoje?

 

Fonte: http://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=meditacao-mudancas-geneticas-melhoram-saude&id=8810

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *